21 de janeiro de 2011

Cd riscado.

Se de um jeito

Não conseguiu falar

Ou se falou, e o ouvido é que não soube interpretar


Se a palavra não penetra

As letras ficam vagas

O verbo impessoal

O sujeito inexistente

A oração é banal


Se o vocabulário já se esgotou

Se virou cd riscado

Déjà vu constante

Roupa usada

Idéia velha

Ferida mal curada


Não deixe a emoção falhar

Eis uma oportunidade

Veja bem:

Há milhares de jeitos de se expressar

Com inteligência sabe-se desvendar

.

O melhor jeito de falar

As vezes é:
Saber calar.

2 comentários:

Sandrio cândido. disse...

fascinamte jogo de palavras.
beijos.
saudações

Budiroga disse...

Gostei bastante da sua poesia...
Muito delicada a maneira como você combinou a ideia do silêncio de um cd riscado com o calar humano. Parabéns pelo blog!
Não posso deixar passar...

Também tenho um blog. Seria um prazer receber sua visita: http://caleidoscopiodobudiroga.blogspot.com/

Abraços!