20 de agosto de 2009

Hai Kai

Sou de ascendência japonesa e me orgulho muito disso. Além de ser fascinada pela gastronomia, gosto demais da cultura, dos rituais e da disciplina dos japoneses (isso eu não herdei). Uma das coisas que mais me encanta desse povo são os hai kais, poesias com uma métrica perfeita, que possuem apenas 17 sílabas numa ordem de 5-7-5, falam dos fenômenos da natureza e da alma do poeta. Acho incrível a tamanha profundidade de sentido expresso em pouquíssimas palavras! Para fazer algo assim, além de precisar de muita técnica é necessário ser extremamente observador e paciente. Difícil!
Isso de ser minuciosamente observador e de criar coisas fantásticas a partir disso, me lembram uma conversa que tive com o meu amigo André Altman. Para um trabalho da faculdade ele terá que escolher um objeto e criar outro, totalmente diferente, porém com a mesma função, genial! O objeto que ele escolheu é uma baqueta, ou seja, algo que produza música, falei para ele observar a natureza, por que não há nada mais inspirador e que transmita mais sons do que ela. Esses poetas fazem exatamente isso, eles observam e criam algo novo para transmitir uma mensagem, só que de uma maneira totalmente surpreendente e estudada. Lí em um artigo que muitos poetas de haikai levavam anos para completar o poema de 3 linhas.
Achei um site bacana, chama a “Caixa de Hai Kais”, você clica em uma flor e sorteia hai kais, teve uma época em que chegava no trabalho e a primeira coisa que fazia era sortear um para começar bem o dia . Segue o link http://seabra.com/haikai/ . Divirtam-se!

Segue abaixo alguns haikais, dos quais muitos não seguem a métrica tradicional japonesa, mas eu gosto:


acordei bemol
tudo estava sustenido
sol fazia
só não fazia sentido

Paulo Leminski

-------------------------------------------------------------
no parque vazio
duas árvores abraçam-se
em prantos de chuva

Eugénia Tabosa

--------------------------------------------------------------

Nem se lembra
Do arroz grudado ao bigode
Gato enamorado.
Taigi
------------------------------------------------------
A nuvem oferta
delgada talhada
de melão: a lua.
Luiz Bacellar

2 comentários:

André Santos (Bisdré) disse...

Demais mesmo! E adoro o Leminski!

Marina disse...

Quel,

Impressionante como uma página de internet pode se tornar algo tão bonito e inspirador com simples agrupamentos de palavras que expressam o mais puro da minha amiga nipolinda.

Que legal o seu blog!!!
Minha vida é uma correria,amo tudo que tem de novo nela,mas tenho saudade do passado!!Muita!Normal!Como vc mesma disse,dá saudade até do que nunca vi e senti!Eta nóis!

Comentando o que vc escreveu em cima sobre a perfeição e disciplina dos japoneses em tudo que executam,essa semana na aula de estrutura e cálculo,vimos sobre a arquitetura japonesa que é pensada a partir de módulos,sempre com simetria de colonas de sustentação,é uma arquitetura limpa,mas cheia de detalhes e simbologias!

Bom Quel!Acho que esse blog vai ser uma ótima maneira de nos conectarmos ainda mais!Escrever idéias,confissões,declarações..em fim!
Beijo!

Marina