26 de outubro de 2009

Descomedido


É tanto, que sufoco meu pranto
pra te ver sorrir

É tanto, que almejo uma vida
que nasce de ti

É tanto, que me entrego sem freio
ao seu abraço derradeiro

É tanto, que dói sem querer
e dissipa ao te ver

É tanto, que ensurdece tudo em volta e cala em mim
só para te escutar

É tanto, que cega os seus defeitos
os seus desfeitos e a minha mágoa

É tanto, que abracei sem medo
a sua casa, suas manias e os sobejos

É tanto, que afoga o desejo
É tanto, que afoba meu peito
É tanto, que foi maior do que minha prece
Foi tanto, que a gente não esquece.

Raquel Costa

4 comentários:

Raquel Costa disse...

É sim!

Açucar, mel, leveza, pra começar bem o dia! disse...

Adorei seu post amiga!

saudadeees!
TE AMO.

Um beijo

Caio disse...

Eu ia perguntar se esse poema foi vc quem fez. Mas pelo visto é assim. Está transbordando setimento de paixão nas palavras. Kkkkkkkkkkk!

Lauro disse...

Querida Raquel, tudo que você escreve é muito lindo mas, mais lindo é o que você é.
Te amo!!!